Publicidades
Esportes

Flamengo acelera no segundo tempo e se reinventa sob o comando de Gerson

Com o meia mais avançado e atuando pela direita, equipe ganha nova alternativa no elenco para as ausências de Arrascaeta e Everton Ribeiro

Gerson não fez gol nem deu assistência na vitória do Flamengo sobre o Sport por 3 a 0, no Maracanã. As manchetes podem ir para o artilheiro Pedro ou para o garçom Bruno Henrique, mas saiu dos pés do Joker a melhor notícia para Domènec Torrent no duelo de quarta-feira.

Sem Arrascaeta e Everton Ribeiro, Gerson mostrou que é o que melhor pode substituir os dois maestros rubro-negros na armação. Atuando mais avançado, aberto pela ponta direita, o meia foi um dos mais participativos do time, criou boas jogadas e esbanjou categoria em lances individuais. Com Dome, ele já jogou em diversas funções no meio-campo.

Muito importante. Temos vários como o Gerson que podem jogar em distintas posições. Mas o Gerson jogou de extremo direito, esquerdo, de 10… Tem muito futuro, é jovem. Estamos encantados com ele. Sempre está pronto para jogar em qualquer posição. Para mim ele melhorou muito fisicamente também. Mas temos outros jogadores que podem fazer isso – elogiou Dome após o jogo.

Flamengo acelera no segundo tempo e se reinventa sob o comando de Gerson 2

Lentidão no primeiro tempo atrapalha

Mas mesmo Gerson teve dificuldade no início da partida. O primeiro tempo do Flamengo foi sonolento. Contra uma boa marcação do Sport, tinha dificuldade para agredir e, durante um bom período, se limitou a finalizar de longe.

A melhor jogada saiu pela direita, em cruzamento de Isla para cabeçada de Pedro. Depois, o próprio Gerson recebeu livre na área, mas teve o chute bloqueado.

Gerson Flamengo — Foto: André Durão

Dome percebeu o problema. No segundo tempo, fez o time jogar com mais velocidade e pelos lados para poder chegar ao ataque. Isla passou a apoiar ainda mais a direita, com Gerson abrindo o corredor. Na esquerda, Filipe Luis assumiu protagonismo na criação e passou a dialogar mais com Bruno Henrique.

Em 15 minutos, o Flamengo decidiu o jogo. No primeiro gol, é Gerson quem inicia toda a troca de passes: dele para Thiago Maia, para Diego, para Isla, livre na direita, cruzar. Bruno Henrique só precisou ajeitar, e Pedro abriu o placar.

Não foi a primeira vez que o técnico do Flamengo relatou lentidão na equipe. Em outras partidas, o time também padeceu de trocas de passes sem muita objetividade. Contra o Sport, havia dificuldade para encaixar um passe vertical, que superasse uma linha de marcação do adversário e possibilitasse jogadas de maior perigo.

Estrutura mantida com peças novas

O mérito na partida foi mexer pouco na estrutura do time. Sem Arrascaeta e Everton Ribeiro, Diego e Gerson ocuparam as respectivas posições. Em outras ocasiões, as escolhas foram por substitutos com características diferentes, de mais velocidade e confronto individual do que articulação.

A importância de Gerson no jogo foi conseguir manter em bom nível a função de Everton. Partindo da direita para o meio, foi capaz de embaralhar a marcação do Sport – especialmente no segundo tempo – e fazer o Flamengo jogar. Boa notícia para Dome, que ganha uma opção a mais no elenco com seu curinga favorito.

Aos poucos, o Flamengo consegue se consolidar. Conforme o técnico conhece melhor os jogadores, pode encontrar soluções mais adequadas para as questões que surgem. O jogo contra o Sport serviu não só pela vitória, mas para mostrar mais alternativas a Dome.

Fonte: Globo Esporte

Comentários

Artigos relacionados

Fechar
Fechar