Publicidades
BlogDestaque

Aprenda como lidar com pessoa de temperamento forte

Existem tantas pessoas legais, que amamos passar horas e horas conversando, são interessantes, sempre tem assuntos para conversar, interagem junto com você, são pessoas maravilhosas, enfim. Mas, sabe aquelas pessoas que você não suporta estar perto? Que só fala “água”?
Quando abre a boca, ninguém quer ficar perto por conta de sair só chatices? Ou até mesmo só jogando indiretas? Aquela que você suporta só pelo mais simples fato de está no circulo familiar, amigos, trabalho e tem mesmo que suportar?
Algumas criticam demais, outras dão uma de “juiz”, pessimistas, autoritárias, etc.
Então… “Se não pode com ele, junte-se com ele!”. Isso mesmo. Está no lugar certo!
Aprenda aqui algumas dicas de como lidar com esses tipos de pessoas, e como conviver com elas, com base nas minhas experiências conforme aprendi são bem simples. Ah, e agradeça por ter pessoas assim, “chatas” ao redor, porque você está tendo a oportunidade de aprender e praticar o que diz na Palavra de Deus: Sejam sempre humildes, bem educados e pacientes, suportando uns aos outros com amor. Façam tudo para conservar, por meio da paz que une vocês, a união que o Espírito dá.” (Efésios 4:2-3).

Imagem ilustrativa (Fonte: vitoriedade.files)
Imagem ilustrativa (Fonte: vitoriedade.files)

Exatamente! A Bíblia nos ensina a lidar com pessoas assim “difíceis”, nos instrui a suportar só que há um, porém: suportar com amor.

O amor é o principal segredo. Não adianta suportar por suportar, ou melhor, com falsidade, porque nisso tudo, você que sairá prejudicado.

É preciso muita sabedoria para tratar com esses tipos de pessoas… pois qualquer falha se transformará em “inimigos”.

Segue algumas dicas:

1 – Compreensão. Saber compreender que tudo possui uma origem, se seus comportamentos são assim então houve alguma coisa que a fez ser desse jeito. Primeiramente começo a dizer que a solução é aprendendo a viver no “mundo” dessas pessoas, tentando entrar no “mundinho” dela, só assim conseguirá compreendê-las melhor.

2 – Segundo não reagir às provocações que lhe são dadas, o segredo é ter paciência, ter calma! Ouça o conselho do apóstolo Pedro:
“Não retribuam mal com mal nem insulto com insulto; pelo contrário, bendigam;”
(1 Pedro 3:9)
Não trate-a mal, pelo fato de ser chata(o) e irritante, mas seja educado, porque assim irá ver que você é diferente.

3 – Sempre que tiver oportunidade de vê-las conversando com alguém que se dá bem, OBSERVE o que a deixa empolgada, os assuntos, então você aprenderá quais os que mais a chamam a atenção.

4 – Em cima disso, em oportunidade de conversa, ao invés de confrontá-las jogue esses assuntos que a deixam empolgada. Mostrando que se importa, mas não faça isso por hipocrisia ou falsidade, assim ela se sentirá, diga assim: importante. Procure entender a pessoa, como vive e seus valores.

5 – Interaja e aproveite cada assunto! Talvez por serem muito ignoradas, estão à procura de alguém que as ouçam.

6 – Dê atenção! Não a rejeite! Quem sabe apenas buscam a atenção de todos ao seu redor! Então, a melhor atitude é fazer com que ela se sinta especial e importante. Dando-lhe atenção necessária que ela sempre quis, ou que nunca teve.

Lembro-me de uma situação a qual passei, com certa pessoa, não vou citar nomes, mas que toda vez que falava com ela já falava mal comigo, e eu correspondia, até ficava zangada. Mas, aí fui tentando descobrir como eu poderia fazer pra mudar isso, e pensei “Se ela me trata assim, vou fazer diferente! Agora vou pagar o mal com o bem!”. Dia seguinte fui comprar chocolates, e aproveitei para levar para ela também. Chego a sua casa, e digo “comprei pra ti”, ela ficou meio assim achando diferente, perguntando se eu estava doente, enfim. Agradeceu, achou diferente. Outro dia chego lá, ela tava se arrumando no espelho, ia sair, aproveitei a oportunidade para elogiar, “Tá top, tá linda!”, ela ficou sem graça e querendo rir, mas com vergonha, mais uma vez achando estranho pelo costume que não tinha de fazer isso, e aos poucos com pequenas atitudes foi mudando. Hoje converso bastante, ela não me trata mais do mesmo jeito que antes. Comigo é um amor de pessoa. E isso foi conquistado com essas pequenas atitudes, pagando o mal com o bem.

Outro exemplo foi de uma ex-colega de turma, mas que hoje a vejo frequentemente, é considerada aquela menina que ninguém suporta. Posso dizer, hoje que nos damos bem, mas antes… Meu Deus! Hoje conversamos também, mas não muito pela questão do tempo que é corrido, mas sempre que posso. Toda vez que falava já era falando mal, e eu me irritava, pagava na mesma moeda, ficava sem nos falar e tudo. Para mudar o quadro, fui começando a observar o que a deixava empolgada, assuntos que ela gostava de conversar com outras pessoas. E sempre que tinha a oportunidade dela falar mal comigo, eu a tratava bem e jogava assuntos que ela gostava. Tipo “como foi lá?”, afinal, ficava interagindo, puxando assunto, deixando-a falar, e ela ficava ali toda empolgada contando. E eu “olha que legal, muito bom, divertido então né?”. Deixei isso virar rotina, não reagia às provocações, não rejeitava, pelo contrário, eu dava atenção, interagia bastante, etc. E foi mudando, hoje não é mais a mesma comigo.

Disso tudo o que aprendi foi que eu não posso mudar ninguém, porque como diz uma musica do Grupo 4 por 1 “nada muda se você não mudar”. A primeira atitude é mudar a si mesmo. Você mudando, os outros mudarão também. Pequenas atitudes fazem total diferença!

“Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal. Prefiram dar honra aos outros mais do que a si próprio.” (Romanos 12:10).

 

Por Alícia Rodrigues

 

Comentários

Artigos relacionados

Fechar