Publicidades
CrônicasEntretenimentoMancheteOeiras

Música para todos

Por Carlos Rubem
@carlosrubemreis
Youtube

Tomamos conhecimento através do link Consulta Pública 001/2021 para previsão de oferta de novos cursos de Graduação Regular Presencial do Campus Professor Possidônio Queiroz da Universidade Estadual do Piauí – Território Vale do Canindé que a UESPI local aprovou “a abertura de Consulta Pública para previsão de oferta de novos cursos de Graduação Regular Presencial do Campus Professor Possidônio Queiroz da Universidade Estadual do Piauí.”

Tal instituição ensino está colhendo “sugestões de cursos foram pré-aprovadas pela Comissão Própria de Avaliação Institucional do Campus Professor Possidônio Queiroz em reunião específica.”

Vejam, abaixo, as opções aventadas:

Licenciatura Plena em Química
Licenciatura Plena em Geografia
Licenciatura Plena em Arte
LICENCIATURA PLENA EM MÚSICA
Licenciatura Plena em Ciências Sociais
Bacharelado em Engenharia Civil
Bacharelado em Arquitetura
Bacharelado em Medicina Veterinária
Bacharelado em Engenharia Ambiental
Bacharelado em Engenharia Agronômica
Bacharelado em Serviço Social
Bacharelado em Zootecnia
Bacharelado em Psicologia

A propósito, em nome da Fundação Nogueira Tapety, a qual presido, em diversas ocasiões públicas, tenho reivindicado a adoção do Curso de Música no Campus da UESPI, em Oeiras.

Este pleito que não é meu — porque é todos — vem de mais uma década. Neste momento em que está em curso aludida Consulta, muito presaria que a coletividade pudesse refletir acerca deste tema, por razões óbvias.

No nosso Estado há apenas um único e escasso Curso de Música, em nível de terceiro grau, oferecido pela Universidade Federal do Piauí, em Teresina.

Nesta toada, no dia 13 de julho de 2010, enderecei ao então Magnífico Reitor da UESPI,
Professor Carlos Alberto Pereira da Silva, uma correspondência vazada nos seguintes termos :

Em 24 de Janeiro de 2006, quando, em Oeiras, aconteciam as comemorações em regozijo da Adesão do Piauí ao Grito do Ipiranga (1823), cópias de uma carta endereçada ao então governador Wellington Dias foram distribuídas entre os participantes daquela festa cívica.

Possidônio Queiroz (Arquivo Pessoal Carlos Rubem)

A carta, cujo inteiro teor transcrevemos abaixo, era assinada pelas integrantes do grupo musical “Bandolins de Oeiras” e, nela, as “meninas”, como são, carinhosamente, chamadas, reivindicavam bons ofícios do governador no sentido da criação de um Curso de Música no “Campus Possidônio Queiroz” da Universidade Estadual do Piauí – UESPI. Em seu conteúdo a missiva mantém, até hoje, sua atualidade, pois, lamentavelmente, nada foi feito, de lá para cá, neste sentido.

Por concordar com as nossas bandolinistas que, aliás, em sua reivindicação, falavam em nome da sociedade oeirense, a Fundação Nogueira Tapety – FNT dirige-se a V. Sa. para, em seu nome, reafirmar o pedido consignado na

Carta das Meninas

“Oeiras, 24 de janeiro de 2006

Querido governador Wellington Dias

Como milhares de outras mulheres nós somos donas de casa, mães e avós vivendo a chamada “terceira idade”. Há, no entanto, algo que nos distingue da maioria: nós somos musicistas e o nosso trabalho já foi reconhecido internacionalmente. Recebemos recentemente, das mãos do presidente Lula, e o amigo governador estava presente, a maior comenda da República no âmbito cultural. Então nós somos muito felizes por estarmos realizando coisas importantes numa idade que as pessoas costumam caracterizar como “esperando a morte”. Nós sabemos que o nosso som transmite amor pela vida, paz, alegria, felicidade. E temos muito orgulho de tudo o que temos feito e agradecemos a Deus por nos permitir fazê-lo.

Mas também sabemos, caro amigo, que o grupo “Bandolins de Oeiras” só pôde existir porque também existiam condições culturais em Oeiras que nos proporcionaram formação musical. E quando falamos neste nosso período de formação é impossível e seria profundamente injusto deixar de citar o nosso querido Professor Possidônio Queiroz, ele mesmo também maestro e compositor, além de intelectual humanista da maior envergadura. A nossa formação, sem dúvida, se deve muito a ele.

Infelizmente o professor Possidônio não se encontra mais entre nós. Poucas são as famílias que se reúnem para um sarau musical. A novela das oito impera soberana nos lares oeirenses.

Os nossos feitos musicais, temos certeza, enchem de orgulho os oeirenses. Para além disto, aumentam a nossa responsabilidade perante os nossos concidadãos!

E é justamente em nome desta responsabilidade que nos dirigimos a V.Exa. para pleitear a criação de um Curso de Música no campus Possidônio Queiroz, da UESPI de Oeiras. Porque achamos que a vida, dádiva de Deus, foi muito generosa conosco e que a musicalidade, dom divino, pode e deve ser aperfeiçoada com dedicação e conhecimento não podemos nos furtar de pedir, para os que aqui habitam, esta oportunidade de ampliar e sedimentar conhecimentos musicais de alta relevância. O ensino da música em Oeiras é como plantar uma boa semente em solo fértil: certamente se colherão bons frutos!

Certas de poder contar com sua estima, atenção e consideração ao nosso pleito despedimo-nos, oeirensemente.

Maria do Rosário Lemos, Lilásia Freitas, Maria José Ferreira, Petronila Amorim e Antonieta Maranhão.”

A FNT orgulha-se de empunhar essa bandeira que teve, na sua vanguarda, tão ilustres e respeitadas oeirenses. O tempo decorrido em nada deformou a legitimidade da aspiração, muito menos a disposição de dar prosseguimento à luta. Esperamos sensibilizá-lo, a V. Exa. e a todos quantos, dentro e fora da UESPI, tenham participação nessa decisão.

Sertanejamente,

Carlos Rubem Campos Reis
Presidente de FNT

Fotos Arquivo Carlos Rubem
Bandolins de Oeiras

 

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo