WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe está aqui para responder às suas perguntas. Fale conosco!
Olá! Como podemos ajudar?
Polícia

Três pessoas são presas suspeitas de integrar rede de tráfico de crianças em Teresina

Três pessoas, sendo duas mulheres e um homem, foram presos em flagrante em Teresina nessa segunda-feira (16) suspeitos de integrar uma rede de tráfico de crianças. Segundo a delegada Lucivânia Vidal, da Central de Flagrante de Gênero, a prisão aconteceu depois que uma mãe denunciou ter tido seu bebê levado pelo trio, após ser enganada por eles.

A vítima é uma mulher de 26 anos natural de Remanso, na Bahia. A mulher estava morando em Cristino Castro, 575 km ao Sul de Teresina, quando engravidou. Ela mudou-se na metade da gestação para Parnaíba, litoral do Piauí, cerca de 300 ao Norte da capital. Lá, segundo relatou a delegada Lucivânia, ela foi abordada por uma pessoa que prometeu ajuda.

“Ela é uma mulher em situação de vulnerabilidade, tanto financeira quanto psicológica, sem os familiares, e que se tornou uma presa fácil. Segundo ela relata, foi prometido a ela um apoio e um amparo a ela e à criança. A pessoa que a abordou disse para ela ir para Teresina, que ela seria ajudada”, informou.
Em Teresina, uma mulher a recebeu e levou para casa. Essa mulher foi uma das pessoas presas e vai responder por associação criminosa. No dia do parto, ela foi orientada a dar outro nome no hospital. O nome informado foi o de outra mulher, que foi presa suspeita de incorrer no crime previsto no artigo 242 do código penal.

O crime consiste em “dar parto alheio como próprio; registrar como seu o filho de outrem; ocultar recém-nascido ou substituí-lo, suprimindo ou alterando direito inerente ao estado civil”. A pena prevista, segundo o Código Penal, é de reclusão, de dois a seis anos.

Com isso, o bebê teve a certidão de nascido vivo emitida pelo hospital no nome da “falsa” mãe. Além das duas, foi preso ainda o marido da segunda mulher. Ele também deve responder por associação criminosa.

Segundo a delegada, o crime só foi descoberto após quatro dias, quando a vítima permaneceu na casa da mulher que a havia recebido em Teresina, sem seu bebê. A delegada Lucivânia disse que ela, então, ligou para uma amiga e pediu ajuda. A amiga buscou a PM, que suspeitou de cárcere privado. A chegar à residência, encontrou a vítima em um quarto, que posteriormente contou o que havia acontecido.

Rede organizada

De acordo com a delegada, os três integram uma rede organizada de tráfico de crianças, que já atua de forma combinada. Os crimes dificilmente vêm à tona, segundo ela, porque as vítimas acabam compactuando, devido à sua situação de vulnerabilidade.

“O tráfico de crianças existe e a sociedade tem que saber. É uma coisa tão organizada que quase não se descobre. Nem a polícia nem a imprensa descobrem. O crime é organizado, mas essa ‘adoção à brasileira’, como chamamos, é isso. Nesse caso, a mãe denunciou, mas existe uma rede”, explicou.

A delegada disse que os suspeitos agora serão investigados pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. A mãe o bebê estão abrigados em Teresina e recebem apoio financeiro e psicológico. O Conselho Tutelar acompanha o caso

Fonte: G1 Piauí

Comentários

Artigos relacionados

Fechar