Publicidades
Politica

Wellington Dias deve alterar o funcionamento dos órgãos públicos

Outra prioridade, será a abertura de novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O governador do Piauí Wellington Dias (PT-PI) e o Comitê Ampliado de Operações Emergenciais (COE) vão avaliar, durante reunião na tarde desta quarta-feira, 03, um novo decreto com medidas mais ajustadas para conter o avanço da covid-19 no Estado.

Uma das principais mudanças ocorrerá no funcionamento dos órgãos públicos. A ideia é reduzir o número de servidores e o horário de funcionamento das repartições. Outra prioridade, será a abertura de novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Quanto ao comércio, a priori, não há intenção de mexer nos horários estabelecidos no decreto em vigência. Contudo, se for necessário alterar o período do toque de recolher, automaticamente, será reajustado o funcionamento das atividades econômicas. Conforme decreto governamental publicado na semana passada, as pessoas estão proibidas de circular no período que compreende das 23h às 5h, salvo em situação devidamente justificada.

As escolas também não devem ser afetadas com o novo decreto. Uma fonte consultada pelo GP1, revelou que a ordem do governador Wellington Dias é priorizar a vida, mas buscando alternativas para amortecer dentro do possível, os impactos negativos trazidos pela pandemia da covid-19.

Número de mortes

O Piauí registrou 22 óbitos por covid-19 dentro de um prazo de 24 horas e chegou a ser o maior número de mortes que ocorreu em sete meses. A última vez que ocorreu mais de 20 mortes foi no dia 16 de julho do ano passado. Os dados são do boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira (02) pela Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi).

Além do número alto de mortes pela doença, o Piauí também chegou ao recorde de casos, com 1.004 confirmações, sendo que grande parte deles é de dias anteriores. A última vez que o estado superou mais de mil casos foi no dia 19 de agosto.

Fonte: GP1
Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo