Publicidades
MancheteOeiras

Comerciantes de Oeiras reclamam do decreto estadual sobre funcionamento do comércio

Empresários de Oeiras se manifestam com decreto estadual em relação aos comércios considerados não essenciais de acordo com a avaliação do governo.  Em relatos da nossa equipe de reportagem vários empreendedores consideram uma decisão equivocada do governo, pois todos são chefes de famílias e tem compromissos para cumprirem e famílias que dependem do trabalho. Há também as necessidades da população, na avaliação deles todos os setores são importantes, o ideal seria ou fecha tudo ou não fecha nenhum. 

 

Os comerciantes de Oeiras estão indignados por alguns empresários não obedecer ao decreto e abrir os estabelecimentos mesmo com as restrições impostas pelo decreto estadual. Os comerciantes que não estão abrindo seus estabelecimentos informaram que se os demais continuarem abrindo seus estabelecimentos comerciais desobedecendo ao decreto, também vão fazer o mesmo, pois também precisam vender seus produtos e manter os seus funcionários. 

 

O decreto foi assinado pelo governador Wellington Dias na última sexta-feira, 26, e define medidas restritivas sobre o funcionamento de atividades econômicas no Estado do Piauí. O documento soma-se a outros publicados durante esta semana, como a antecipação de feriados, com o objetivo de reduzir a transmissão do novo coronavírus. O decreto proíbe o funcionamento de serviços “não essenciais” que devem permanecer fechados do dia 30 de março ao dia 04 de abril. 

 

É do conhecimento de todos e de forma rápida e silenciosa atingiu todo o planeta no ano de 2020 e perdura até hoje. Em alguns países gerou colapsos na saúde, finanças e outros setores que envolvem a economia. No Brasil já foram registradas 318 mil mortes provocadas pela Covid-19 e 12, 7 milhões de casos confirmados da doença em todo o país.

O estado do Piauí hoje tem 205.005 casos confirmados e 4.104 mortes. O município de Oeiras, hoje, 31, registra 3.098 casos confirmados e 46 óbitos.

 

Por Romário Britto e Rogério Silva 

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo