Publicidades
SaúdeGeral

Estados e municípios já temem falta de oxigênio e alertam governo

Os governadores de Minas Gerais e Acre, por exemplo, já solicitaram ajuda ao Ministério da Saúde para evitar um quadro de escassez de cilindros do gás nas unidades de saúde.

Após o cenário de colapso e crise devido a falta de oxigênio em Manaus (AM), o que levou os pacientes dos hospitais da cidade serem transferidos para outras regiões, diversos estados e municípios do país já temem pela falta do insumo. Os governadores de Minas Gerais e Acre, por exemplo, já solicitaram ajuda ao Ministério da Saúde para evitar um quadro de escassez de cilindros do gás nas unidades de saúde.

Em Rondônia, foi o Ministério Público Federal (MPF) que alertou o Executivo sobre um possível problema de desabastecimento no estado. Dezenas de municípios também estão sob risco de desabastecimento. Já na última terça-feira, o governo de Minas Gerais pediu ajuda ao Ministério da Saúde para que não falte oxigênio no estado. Por meio de nota, o governo do estado afirmou que “as empresas fornecedoras de oxigênio estão fazendo uma reestruturação logística para atender a alta demanda”. Segundo ressaltou o secretário de Saúde, Fábio Baccheretti, ainda não há problemas de abastecimento, mas o estado deve se preparar.

Outros municípios pelo Brasil também vêm relatando risco de escassez do insumo. Cerca de 60 cidades do Rio Grande do Norte enfrentam problemas com a falta de oxigênio, segundo o Conselho Estadual de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems). O consumo do gás aumentou cerca de 15% desde o início da pandemia. Durante o fim de semana, pelo menos três unidades de saúde da capital Natal e região metropolitana tiveram problemas com a falta do insumo.

No Ceará, 39 municípios estão sob o risco de falta de desabastecimento, segundo a Associação dos Municípios do Ceará (Aprece). O governador Camilo Santana (PT) negou a escassez de oxigênio em nota nas redes sociais, mas afirmou que existe um ”problema na entrega” aos municípios.

Na semana passada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que fabricantes, envasadoras e distribuidoras de oxigênio medicinal devem informar ao órgão, semanalmente, sobre a capacidade de fabricação, envase e distribuição, além dos estoques disponíveis do produto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: O Globo

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo