WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe está aqui para responder às suas perguntas. Fale conosco!
Olá! Como podemos ajudar?
DestaqueMancheteNoticiasOeiras

Família de idosa de 86 anos denuncia descaso no hospital regional de Oeiras

Fotos: Vilmara do Nascimento

Familiares de uma idosa de 86 anos denunciaram nesta segunda-feira, 22, o descaso no tratamento da paciente no Hospital Regional Deolindo Couto (HRDC), em Oeiras. De acordo com a dona de casa, Vilmara do Nascimento, ao chegar ao hospital na manhã do último sábado, 20, a idosa teve que esperar cerca de 4h para a retirada do gesso de um braço.

Vilmara do Nascimento, que acompanhou a idosa no procedimento, conta que elas chegaram ao HRDC às 7h40 min e só foram conseguiram sair perto do meio dia. A dona de casa relata que o aparelho que faz a retirada do gesso não estava funcionado e que, ao solicitarem a ajuda de um enfermeiro, foram tratadas com descaso. “Ele foi irônico. Pediu para a gente comprar uma maqueta nova (máquina usada para serrar o gesso)”, desabafa Vilmara do Nascimento.

Como o aparelho não estava funcionando, a idosa foi encaminhada para uma sala, onde o braço engessado foi molhado durante 1h30min para facilitar a retirada do gesso. Sem sucesso no procedimento, um neto da idosa, que também a acompanhava, foi a uma loja de material de construção no centro de Oeiras e comprou uma serra de ferro das usadas para serrar PVC. “E foi ele mesmo que fez a retirada do gesso”, informa Vilmara, indignada.

“Ninguém apareceu para nos ajudar. O médico falou que é revoltante o hospital ter um único aparelho para retirada do gesso e este estar quebrado”, comenta a dona de casa.

Vilmara relata ainda que tentou contato com a diretoria do hospital, mas não teve retorno. “Depois de passarmos por isso só consigo sentir revolta”, desabafa.

c

A dona de casa se queixa também da sujeira no Deolindo Couto. Segundo ela, o banheiro e outras dependências do hospital estavam sujos durante o atendimento da idosa.

b

Procurado, o diretor-geral do Hospital Regional Deolindo Couto, Anselmo Jorge, caracterizou o acontecimento como um “mal entendido”. “O equipamento teve um problema e pifou na hora que estavam tirando o gesso da paciente. Não deu para tirar o gesso todo. Estamos com uma deficiência de ortopedista, só temos um, de 15 em 15 dias, e não dá para atender a demanda da população. Como departamento financeiro não estava funcionando, o funcionário orientou que comprasse a serra de PVC. O equipamento foi consertado em seguida”, justifica o diretor do HRDC.

 

 

Por Jadson Osório

Comentários
Etiquetas

Artigos relacionados

Fechar