WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe está aqui para responder às suas perguntas. Fale conosco!
Olá! Como podemos ajudar?
Brasil

Familiares são os principais agressores em casos de violência sexual no Brasil

Em apenas 16% dos casos pesquisados, os agressores são desconhecidos das vítimas, aponta estudo

Familiares e pessoas próximas às vítimas são os principais agressores em casos de violência sexual contra crianças e adolescentes no Brasil. É o que aponta um levantamento realizado pela Ferba/Giusti para a Childhood Brasil, com base em reportagens veiculadas pela imprensa sobre o tema ao longo de 2018. Em 37% dos casos divulgados, os agressores eram padrastos, pais, mães, avós e outros parentes.

Apenas 16% dos acusados de violência sexual contra crianças e adolescentes são desconhecidos das vítimas. O estudo foi elaborado para destacar no Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, comemorado em 18 de Maio, a importância de estatísticas e estudos sobre o tema.

O levantamento analisou 933 reportagens veiculadas no online e impressos, entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2018, sendo descartadas as que tratavam do mesmo caso. A amostra inclui casos em averiguação pelas autoridades ou denúncias, não se podendo afirmar que foram efetivamente praticados pela pessoa indicada.

O estudo aponta que as meninas são as principais vítimas de violência sexual (76%) dos casos. Já os principais locais apontados como cenário do abuso são, pela ordem: casa da vítima (38%), casa do agressor (18%), não definido na reportagem (19%) e local público (14%). Outros locais citados pela imprensa foram escola, internet, trabalho, igreja, hospital e motel.

A região que concentra o maior número de casos é o Sudeste (27%), seguido por Nordeste e Centro-Oeste (21%), Norte (17%) e Sul (14%). Os cinco estados com maior incidência de notícias relatando abusos sexuais são: São Paulo (117 reportagens sobre abuso), Minas Gerais (69), Mato Grosso do Sul (74), Mato Grosso (71) e Paraná (67).

Importante lembrar que o Brasil trabalha hoje com dados descentralizados entre saúde, judiciário, segurança pública e conselhos tutelares, entre outros, sendo a principal ferramenta as estatísticas do Disque 100, canal de denúncias oficial do governo federal para qualquer violação de direitos humanos.

 

 

Fonte: Portal O Dia

Comentários

Artigos relacionados

Fechar