Publicidades
Polícia

Homem é investigado suspeito de estuprar, cortar o cabelo e filmar tortura contra a própria mulher no PI

A Polícia Civil do Piauí abriu inquérito e está investigando um homem ainda não identificado, suspeito de filmar torturas físicas e abusos psicológicos contra a própria mulher, durante vários dias, entre sexta-feira, 13, e domingo, 15, na cidade de Altos. A família, informou ainda que o homem tentou matar a mulher e a teria estuprado.

Familiares, que preferiram não se identificar, e que estão temendo pela vida da vítima e de parentes próximos, informaram que a mulher é casada há 20 anos com o suspeito e que o homem sempre foi agressivo, mas que a vítima tinha medo de denunciar e ser assassinada ou ter seus parentes feridos.

No boletim de ocorrência registrado na Central de Flagrantes de Gênero de Teresina, a vítima descreveu que durante os três dias viveu torturas, ameaças de morte, agressões, abusos psicológicos e foi estuprada. O homem estaria se vingando por acreditar que teria sido traído.

A denúncia diz que ele a agrediu com murros, a amarrou sem roupas em uma árvore e usou uma corda para agredi-la, cortou seu cabelo, jogou gasolina em seu corpo e ameaçou atear fogo, usou um facão para ameaçá-la de morte e agredi-la.

Torturas em vídeo

Em determinado momento, durante as torturas, ele teria usado o próprio celular da vítima para registrar as agressões. Nos vídeos, segundo a denúncia, a vítima foi obrigada a dizer que “a culpa era dela, por ter traído o marido”.

Ele teria ainda obrigado ela a gravar trechos onde se despedia do filho, que tem com o suspeito, porque ele dizia que iria matá-la.

Fuga

Para evitar que fosse denunciado, segundo a vítima, o suspeito teria saído com ela de casa, usando uma faca para mantê-la como refém, e ido para a frente do Posto de Policiamento Ostensivo (PPO) da cidade.

Nesse momento, aproveitando uma distração do agressor, ela conseguiu correr até o Posto e denunciou o que estava acontecendo. O homem foi preso em flagrante e encaminhado à Polícia Civil.

Soltura e investigação

Autuado em flagrante por tortura, o homem foi encaminhado à Central de Flagrante de Gênero de Teresina.

Em decisão disponível no Tribunal de Justiça do Piauí, o juiz Ulysses Gonçalves, durante audiência de custódia na comarca de Altos, avaliou que as circunstâncias não garantiam a manutenção da prisão em flagrante.

Ele determinou, então, a liberdade provisória, mediante cumprimento de medidas cautelares. O suspeito está, entre outras coisas, proibido de manter contato com a vítima e seus familiares.

O delegado Tomaz de Aquino informou ao G1 que abriu inquérito para investigar o caso e que, no decorrer da investigação, pode identificar outros crimes além da tortura, como tentativa de feminicídio e estupro.

Fonte: G1

Comentários

Artigos relacionados

Fechar
Fechar