Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email

Piauí tem o 2° maior comparecimento ao Enem impresso do Brasil

O Piauí teve o segundo maior comparecimento ao primeiro dia de provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) impresso, atrás apenas do estado do Rio Grande do Norte.

Dos 72.170 candidatos inscritos no Enem no Piauí, 78,2% compareceram ao primeiro dia de provas no domingo (21), e 21,8% não compareceram.

O Rio Grande do Norte teve 78,3% dos estudantes inscritos no Enem que compareceram ao primeiro dia de provas.

No Enem Digital, com provas eletrônicas, dos 986 estudantes inscritos no Piauí, 55,7% compareceram e 44,3% não compareceram.

No Piauí, o Enem impresso foi aplicado em 33 municípios com 414 locais de provas e 4.185 salas. Já o Enem Digital, foi aplicado em dois municípios do Piauí, com 13 locais e 62 salas.

Dos 3.109.800 inscritos confirmados no Brasil, 74% compareceram ao primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio 2021 — versões impressa e digital. Os dados são preliminares, tendo em vista que os números definitivos dependem da apuração do consórcio aplicador e serão informados na divulgação dos resultados do Enem.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) realizou o exame no domingo em 1.747 municípios brasileiros.

No caso do Enem impresso, 74,5% dos 3.040.907 inscritos fizeram as provas. Já na modalidade digital, 53,9% dos 68.893 participantes com inscrições confirmadas compareceram. Foram realizadas provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, ciências humanas e suas tecnologias, além da redação, com o tema “Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil”.

Em entrevista coletiva realizada na sede do Inep, em Brasília, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, destacou o índice de participação, mesmo diante do contexto da pandemia de covid-19.

“Acredito que o Enem foi um sucesso. Tivemos apenas 26% de abstenção em um período que ainda é de pandemia. Isso é um número significativo, porque, sem o Enem, uma série de outros passos da educação brasileira sofreria atrasos, o que poderia prejudicar ainda mais os jovens que querem ascender ao ensino superior”, afirmou.

O ministro Milton Ribeiro ressaltou a complexidade da logística do exame e a atuação de todos os envolvidos para a aplicação das provas.

“Tivemos um Enem seguro, a tempo e sem ocorrências significativas”, disse.

Foto: Fábio Rodrigues/Agência Brasil

No total, foram 11.904 locais de aplicação e 158.445 salas de prova, considerando as duas versões do exame. Para o presidente do Inep, Danilo Dupas, o número de participantes que fizeram as provas neste domingo “demonstra que, mesmo em pandemia, houve uma boa assiduidade”.

Dupas também chamou a atenção para a magnitude da logística que envolve o Enem. As provas foram entregues em tempo recorde.

“Quero agradecer a todos envolvidos: colaboradores, servidores, forças de segurança e Correios, pela excelência na distribuição. Foi um recorde de tempo para a entrega das provas. Em três horas e três minutos, todas estavam nos seus devidos locais de aplicação, sem intercorrências”, pontuou.

O diretor de operações dos Correios, Carlos Henrique Ribeiro, comentou sobre o nível de coordenação que a entrega das provas requer. “O Enem é uma megaoperação. O planejamento começa no início do ano. São 4.500 pessoas envolvidas, além dos entes. Há uma integração muito forte. É uma operação de todo o Brasil. A entrega é delicada, porque cada prova deve estar no local e no momento correto para o participante certo. Todos os entes estavam muito coordenados para fazermos uma operação com zero erro”, disse.

Segundo o coordenador-geral de Repressão a Crimes Fazendários da Polícia Federal, delegado Cléo Mazzotti, o primeiro dia de aplicação correu dentro dos parâmetros e das estratégias de segurança previstas. Mazzotti falou sobre a atuação da polícia. “A Polícia Federal coordena a segurança no Enem juntamente com outras forças. É feita uma coalizão de esforços para que tudo transcorra de forma tranquila. Nosso objetivo é atuar de forma técnica, apenas para garantir a lisura e a segurança”, explicou. “Tínhamos uma preocupação muito grande neste ano com ataques cibernéticos e conseguimos evitar. A estrutura do Inep é muito boa nesse tipo de combate”, complementou.

O segundo dia do exame será no próximo domingo, 28 de novembro. Os participantes resolverão itens de ciências da natureza e suas tecnologias, e matemática e suas tecnologias. O Inep divulgará os gabaritos do Enem 2021 até 1º de dezembro, conforme previsto em edital.

Quem não compareceu a este primeiro dia do exame por estar com sintomas de doenças infectocontagiosas previstas nos editais do Enem 2021 (impresso e digital) poderá solicitar a reaplicação por meio da Página do Participante, no período de 29 de novembro a 3 de dezembro. No momento da solicitação, será necessário anexar documentação que comprove a condição de saúde.

O participante que tiver a documentação aprovada poderá participar da reaplicação, que ocorrerá nos dias 9 e 16 de janeiro de 2022. Nessas datas, o Inep também aplicará o exame para Pessoas Privadas de Liberdade ou sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade (Enem PPL) 2021 e para os participantes que se inscreveram entre 14 e 26 de setembro, após nova oportunidade destinada às pessoas isentas da taxa de inscrição que faltaram ao Enem 2020.

O Exame Nacional do Ensino Médio avalia o desempenho escolar dos estudantes ao término da educação básica. Ao longo de mais de duas décadas de existência, tornou-se uma das principais portas de entrada para a educação superior no Brasil, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e de iniciativas como o Programa Universidade para Todos (ProUni).

Foto: Efrém Ribeiro

Instituições de ensino públicas e privadas utilizam o Enem para selecionar estudantes. Os resultados são usados como critério único ou complementar dos processos seletivos, além de servirem de parâmetros para acesso a auxílios governamentais, como o proporcionado pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Os resultados individuais do Enem também podem ser usados nos processos seletivos de instituições portuguesas que possuem convênio com o Inep para aceitarem as notas do exame. Os acordos garantem acesso facilitado às notas dos estudantes brasileiros interessados em cursar a educação superior em Portugal.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Meio Norte

Comentários

Deixe um comentário

Veja também...