Palmeiras amplia marcas em festa com torcida e Bolsonaro

7
Palmeiras amplia marcas em festa com torcida e Bolsonaro

Em uma tarde de muita festa no Allianz Parque, já que o título brasileiro estava garantido com uma rodada de antecedência, o Palmeiras entrou em campo para cumprir tabela, levantar a taça de campeão e dar a volta olímpica diante da sua torcida.

O time alviverde levou um susto, mas bateu o já rebaixado Vitória por 3 a 2, com gols de Edu Dracena, Gustavo Scarpa e Bruno Henrique.

O Campeonato Brasileiro chegou ao fim com uma campanha histórica do Palmeiras. Com 80 pontos, foram 23 vitórias, 11 empates e 4 derrotas.

Além disso, o time comandado por Luiz Felipe Scolari alcançou a marca de 23 jogos de invencibilidade. É a primeira vez que uma equipe fecha o segundo turno do Nacional de pontos corridos sem tropeçar.

No ano passado, o Corinthians ficou 19 jogos invictos no primeiro turno da competição e somou 47 pontos, mesma marca alcançada pelo Palmeiras no returno deste ano.

O time alviverde garantiu o melhor ataque do campeonato (64 gols marcados), a melhor defesa (26 sofridos), além de ser o que mais venceu.

Com recorde de público na arena, os 41.256 torcedores fizeram uma enorme festa. Um dos convidados para ela foi o presidente eleito da República, Jair Bolsonaro (PSL).

Ele viveu uma tarde de ídolo neste domingo (2). Responsável por entregar a taça de campeão brasileiro para o capitão da equipe, Bruno Henrique, foi ovacionado por boa parte da torcida alviverde.

Depois, deu a volta olímpica com a equipe ao redor do gramado do Allianz Parque. No trajeto, foi bastante aplaudido por torcedores, principalmente depois de se enrolar em uma bandeira do clube.

Em determinado momento, os palmeirenses puxaram o grito de “mito” para ovacioná-lo. Depois, xingaram o ex-presidente Lula (PT), torcedor do rival Corinthians.

Jair Bolsonaro também foi tietado pelos jogadores, que o abraçaram no palco onde receberam as medalhas. Principalmente o técnico Luiz Felipe Scolari, que já havia prestado continência no vestiário, e Felipe Melo, que repetiu o gesto durante a premiação.

O goleiro Jailson foi outro que o tratou como ídolo. Durante a volta olímpica, o levou para as arquibancadas para cumprimentar os torcedores e posou para fotos com o presidente eleito.

Bolsonaro permaneceu dentro do campo com o time por 30 minutos e deu a volta no gramado, vestido com a camisa do Palmeiras. Recebeu dos atletas o troféu e o ergueu para a torcida, rodeado por um batalhão de seguranças.

O presidente eleito assistiu ao jogo em um camarote no Allianz Parque. Ao seu lado estiveram os principais nomes da CBF, como o atual presidente, Antônio Nunes, e o futuro, Rogério Caboclo.

A patrocinadora do clube, Leila Pereira, da Crefisa, também posou para fotos com ele.

PALMEIRAS

Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luís; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Guerra); Gustavo Scarpa (Moisés), Dudu e Borja (Deyverson).

T.: Luiz Felipe Scolari

VITÓRIA

João Gabriel; Cedric, Lucas Ribeiro, Bruno e Fabiano; Willian Farias (Nickson), Yago e Léo Gomes; Lucas Fernandes (Erick), Luan e Léo Ceará (Eron).

T.: João Burse

Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)

Assistentes: Henrique Neu Ribeiro e Eder Alexandre (SC)

Público/Renda: 41.256/R$ 3.514.618,30

Gols: Edu Dracena (PAL), aos 42 minutos do primeiro tempo; Gustavo Scarpa (PAL), aos 11 minutos do segundo tempo, Yago (VIT), aos 25 minutos do segundo tempo; Luan (VIT), aos 27 minutos do segundo tempo; e Bruno Henrique (PAL), aos 44 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Deyverson e Felipe Melo (Palmeiras); Lucas Ribeiro e Luan (Vitória)

Com informações da Folhapress.

Comentários